Promover uma reflexão sobre a contribuição, participação e inserção dos negros e negras na sociedade brasileira. Com esse objetivo, em alusão ao Dia Nacional da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro, a Faculdade de Tecnologia do Cooperativismo – Escoop promoveu na noite dessa quarta-feira (25/11), no auditório Édio Spier, a palestra “O papel da mulher negra na transferência da cultura afro”, com a psicóloga, especialista em criminologia e secretária executiva do Conselho do Povo de Terreiro do RS, Iya Sandrali d’Osun e a professora de História e atuante em movimentos de apoio a mulheres negras, Vanessa Rodrigues da Silva.

O evento faz parte da 3ª Semana da Consciência Negra, realizado pela Escoop, sob a orientação da professora Rejane Inês Kieling. A data foi escolhida para coincidir com o dia da morte de Zumbi dos Palmares, líder do Quilombo dos Palmares e símbolo da resistência e luta contra a escravidão.

O papel da mulher negra na transferência da cultura afro

Segundo Iya Sandrali, a iniciativa da Escoop deve ser valorizada, pois trabalha com uma concepção inserida dentro da sociedade brasileira. “A sociedade brasileira não está acostumada, ela não aprendeu que a maioria da população brasileira é composta por negros e negras, a sociedade brasileira não consegue se enxergar como um todo”, disse. Iya explanou sobre a tradição de matriz africana e ressaltou que o papel da mulher nesse caso nunca foi de submissão. “A mulher é o ser que vai cuidar do aspecto da solidariedade, do cooperativismo e tem o poder de organizar a comunidade”, complementa.

2015_11_25_Semana_Consciência_Negra_8294_L

Após a apresentação de Iya, Vanessa explanou sobre a experiência de participar da organização da 1ª Semana da Consciência Negra do Palácio Piratini, em novembro de 2013. Integrante do Coletivo Oluchi Turbantes e atuante no Fórum Livre de Mulheres Negras do RS, a professora de História, que também trabalha na ONG Feminista Coletivo Feminino Plural, falou sobre o seu trabalho na luta contra o racismo e outras formas de discriminação contra a população negra.

Sobre o Dia da Consciência Negra

O Dia da Consciência Negra busca remeter à resistência do negro e da negra contra a escravidão, o racismo e quaisquer formas de discriminação contra a população negra. Foi criado em 2003 e instituído em âmbito nacional mediante a lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011, sendo considerado feriado em mais de mil cidades em todo o País.

Compartilhar: